Holanda 3 x 3 Brasil: Brasileiras ficam atrás do placar duas vezes, viram e cedem empate nas Olímpiadas

Jogos Olímpicos Seleção Feminina: Brasil x Holanda - Foto: Sam Robles

Pia Sundhage repete com frequência: é importante todas estarem na mesma página. O segundo jogo da seleção brasileira, contra a Holanda, iniciou com a mesma escalação da estreia e a coletividade foi destaque. Ouso dizer que esse foi o melhor jogo de Tóquio até o momento. O time mostrou que um trabalho em conjunto traz mais frutos do que somente com individualidades. Hoje conseguimos observar uma equipe que aposta no coletivo, que não tem tanta dependência de nomes como Marta e Formiga. A equipe apresentou um grande futebol, com paciência para ir atrás do resultado e, no fim, recebeu um amargo empate em um jogo de muito equilíbrio.

O placar, apesar de ser bom, teve um sentimento de que poderia ter sido uma vitória. O nível técnico que a seleção começa a apresentar hoje é o ideal esperado há anos. O time, que antes era comandado por Vadão, tinha jogadas clássicas, alterações limitadas e pouco repertório. Com a Pia, temos um padrão de jogo, uma evolução física, tática, técnica e psicológica. O telespectador do futebol da seleção brasileira não pode negar que o time está se consolidando cada vez mais e trazendo muito otimismo. No fim das contas, o empate é ótimo! 

Além disso, o Brasil está em 2º do grupo devido ao saldo de gols. Se continuar assim, nosso adversário na próxima fase poderá ser Canadá ou Grã-Bretanha, fazendo-as escapar de um possível Estados Unidos e Suécia, as quais são as mais temidas na competição. 

Algumas jogadoras que foram destaque no primeiro jogo como Andressa Alves, Andressinha, Bia Zaneratto, Bruna Benites, Érika e a goleira Bárbara, não foram tão bem contra a Holanda. Mas de qualquer forma, outros nomes como Debinha, Duda e Tamires foram essenciais para elevar o desempenho da equipe. A confiança que a técnica sueca passa para as jogadoras é outro fator importante. Isso se refletiu no segundo tempo, quando o Brasil entrou com três mudanças no time e as alterações acarretaram efeitos positivos. Pia cobra muito, mas doa um suporte necessário para que as nossas jogadoras façam um bom jogo.

O time da Holanda, comandado por Sarina Wiegman, desenvolveu um jogo para que a atacante Miedema e a meia atacante Lieke Martens fossem protagonistas. De certa forma isso funcionou. Miedema marcou dois, sendo um deles falha da goleira brasileira. Perto do fim, Janssen determinou o empate em uma cobrança de falta. Para o lado do Brasil, Debinha marcou o gol de empate em um lance com o apoio de Duda pela linha de fundo no lado direito do campo. O segundo veio de Marta através do pênalti sofrido por Ludmila, a qual fechou a conta, em seguida, com o terceiro gol. Nesse momento o Brasil ficou em vantagem pela primeira vez no jogo. 

Falhas de Bárbara

Entre os pontos positivos que o Brasil apresentou, no que tange o psicológico, após um gol aos 2 minutos de partida, houve um fator negativo em relação a nossa defesa, principalmente da Bárbara. A goleira teve um dia para ser esquecido com falhas e inseguranças. Em dois lances nos quais a Holanda marcou, a goleira brasileira conseguiu chegar na bola e encostar a mão, mas sem firmeza para fazer a defesa. Em um jogo contra adversárias tão fortes, essas falhas foram determinantes para o empate.

Marta é soberana

Com o gol marcado na partida de hoje, Marta chega aos 13 gols em jogos olímpicos. Lembrando que Cristiane ainda está na frente com um gol a mais. Se a camisa 10 somar mais um, ambas empatam nesse recorde. Porém, no final do jogo, quando foi lembrada sobre isso, disse:

– “Nosso objetivo é sempre pensar no coletivo. Óbvio que fazer gols faz parte do trabalho, mas sempre pensando no coletivo. Os recordes sempre aconteceram naturalmente na minha vida, nunca foi forçado” 

Marta comemorando gol.

Próximo Jogo:

O Brasil encerra a participação da primeira fase na próxima terça-feira, às 8h30min, enfrentando a seleção da Zâmbia — que teve um total de 7 gols marcados e 14 sofridos, dentro de dois jogos, após perder por 10×3 para a Holanda e empatar por 4×4 com a China. Holandesas e chinesas jogam no mesmo horário.

Outras notícias